Modesto da Silveira no Fazendo Media

Da entrevista com o advogado Modesto da Silveira (que defendeu diversas vítimas da ditadura civil-militar instaurada em 1964), realizada por Angelo Cuissi, Eduardo Sá e Raquel Júnia e publicada no Fazendo Media de maio:

“Quando prenderam os dois [casal de jovens pernambucanos residindo no Rio de Janeiro], a CNBB, como fazia de vez em quando, me telefonou pedindo para eu ser o advogado deles. Eu consegui soltá-los. Um certo dia, ela veio ao escritório e disse:

– Doutor Modesto, eu preciso muito da sua ajuda. Eu estou grávida. Fui estuprada em fila pelos torturadores.

Aí eu fiquei constrangido.

– Eu vi a cara dos primeiros que me estupraram, mas não vi a dos outros porque eu desmaiei e agora eu estou grávida. O que é que eu faço?

[Modesto enche os olhos de lágrimas]

Eu disse a ela:

– Se eu fosse você, eu faria o aborto, por várias razões: a primeira delas é porque cada vez que você olhar o seu filho, se der azar de ele ter a cara de um dos dois primeiros, você vai estar vendo o seu torturador e estuprador. Pode ser uma tortura de vida inteira, você vai acariciar o seu filho e sentir que está acariciando o torturador. Você falou para o seu marido?

Ela disse que não tinha tido coragem.

– Pois conte a ele. Essa é minha opinião, mas como você tem o seu problema ideológico-filosófico e religioso, acho que vale a pena falar com o bispo da CNBB, porque ele gosta de vocês e pode arranjar uma saída para essa questão religiosa. Mas fale com o seu marido primeiro.

Aí ela saiu e foi direto ao bispo, e ele disse mais ou menos o que eu disse. Apesar de ser contra o aborto, ele não teve coragem de dizer nada. Ela me contou depois, disse que ele caminhava para lá, para cá, e a saída que ele achou foi esta:

– Minha filha, você ainda não falou com o seu marido. Vai falar com ele, depois vem os dois aqui e a gente conversa.

Ele, naturalmente, ia pensar uma saída possível que não violasse a religião e não violasse a consciência dele também. Aí ela falou com o marido e depois me contou. Disse que contava e ele não dava uma palavra, contido e tenso. Quando ela terminou a história, ele levantou, deu um abraço nela e disse:

– Minha filha, uma criança é uma criança, e nós podemos fazer dessa criança um homem de bem. Se você quiser ter, tenha, e você vai ver que nós vamos fazer dessa criança um cidadão digno.

[Modesto lacrimeja e engasga a voz.]

Aí ela teve um relaxamento com a conduta do marido, e logo no dia seguinte teve um aborto espontâneo. Ela ainda me disse:

– Foi milagre, doutor Modesto, quanto que eu rezei, foi um milagre. (…)”

*  *  *

É por essas e muitas outras que, há alguns anos, tomei a decisão de não mais me (des)informar através da mídia gorda. Assino cinco veículos, todos da mídia democrática – um deles, o Fazendo Media – e acompanho alguns outros pela internet.

Anúncios

Tags: , , , ,

Uma resposta to “Modesto da Silveira no Fazendo Media”

  1. Roberta Says:

    O texto me traz algumas reflexões sobre a contemporaneidade. Muitos são os relatos que revelam as barbaridades que a tortura praticada durante a ditadura exerceu sobre as pessoas, e devemos sempre lembrá-las. Contudo, além de repudiarmos os atos daquele período, eles devem ser rediscutidos para evitar repetições. E hoje ainda vivemos sobre o manto de um estado torturador. Mudaram as vítimas, mas permaneceu a prática. Dentre as razões, identifico o processo de Anistia aplicado no Brasil, que não promoveu um processo fundamentado no estabelecimento da verdade sobre a ditadura.
    E quanto ao Bispo, nossa, quero na minha terra! Deve ser parente de Sto. Antônio, que hoje faz aniversário. :) :) :)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: