Mudança de domicílio eleitoral

Motivado por uma propaganda da Justiça Eleitoral ouvida no rádio, retomei uma campanha séria com os amigos (na verdade, por coincidência, amigas) de fora que moram no Rio para transferirem o título de eleitor para cá. Do jeito que a coisa anda no Rio e no Brasil e com a disputa acirrada que vem por aí, não dá pra ficar desperdiçando voto de gente consciente e de esquerda que esquece de transferir o título, acaba não conseguindo viajar pro local de nascimento e deixa de votar (menos provável ainda é conseguir votar nos dois turnos).

Em parte, estou fazendo com os outros o que dois ou três amigos fizeram comigo quando me mudei de Niterói pro Rio, quase quatro anos atrás. Na época, o procedimento foi simples e rápido – sim, há coisas simples e rápidas feitas em órgãos públicos, ao contrário do que a mídia gorda, fundamentalista e neoliberal divulga. Se você mora no estado do Rio e quer mudar seu título de eleitor para cá, as regras estão aqui.

*  *  *

Da série “nunca antes na história deste estado”, um campeonato em que os times pequenos incomodassem tão pouco os grandes. Melhor seria se os times ficassem treinando e os dois turnos começassem direto da semifinal, com o cruzamento dos quatro grandes.

*  *  *

Por falar no grande líder e, especificamente, numa obra muito grande e muito criminosa feita graças à pressão e dinheiro de seu governo, recomendo a leitura de “Belo Monte: a volta triunfante da ditadura militar?“, de Leonardo Boff. Li no Brasil de Fato.

*  *  *

Passei parte da tarde de hoje no trânsito, indo a Niterói e voltando. No som, 10 anos depois, de Jorge Ben. Ouvi esse LP durante toda a infância. Era um dos que meu pai tinha do Ben. O outro era o mítico A Tábua de Esmeralda. (Arrependo-me profundamente de não ter roubado ambos na partilha dos bens que seguiu à separação de meus pais…). Gosto em particular da penúltima faixa, que emenda “Que Pena”, “Que Nega É Essa” e “Domingas”. A primeira, linda de morrer, numa versão que acho muito superior à original (de Jorge Ben, 1969). Tô aqui cantarolando até agora:

“ela era uma rosa/as outras eram manjericão”

Pra completar, chove no Rio…

*  *  *

Essa semana vi O segredo dos seus olhos (El secreto de sus ojos). Maravilhoso. Bonito, imprevisível, triste, engraçado, instigante. Buenos Aires. Argentina. Paixão. História.

Anúncios

Tags:

7 Respostas to “Mudança de domicílio eleitoral”

  1. Bruno Says:

    Cara,
    Eu também tenho feito campanha para as pessoas mudarem seus títulos eleitorais. É incrível a quantidade de pessoas (de esquerda) a minha volta que não votam. Eu não voto desde a eleição do Lula em 2002. Meus dois irmãos não votam. Meu ex-namorado e meu melhor amigo também. Neste ano, uma grande amiga mudou para Brasília e se ela nao alterar o título tb.
    Estou em campanha para as pessoas votarem. Esse seu post poderia aparecer em algum blog grande (Nassif, etc.) Se as pessoas entrarem firmes nessa campanha pode fazer diferença. Meu esforço, seu esforço, não faz diferença. Mas, o esforço de vários no mesmo sentido, pode fazer.

  2. Bruno Says:

    Só mais um dado: os locais que o Alckmin ganhou com mais força (RS e SC) tem abstenção de cerca de 15%, enquanto os que o Lula ganhou com maior diferença (AM e MA) tem abstenção de 24%. Além disso, deve-se acrescentar que no Norte e Nordeste, a proporção de eleitores sobre a população em idade de votar é mais baixa. A campanha para mudança de domicilio eleitoral vale muito a pena.

    http://eleicoes.uol.com.br/2006/placar/ma/index.jhtm
    http://eleicoes.uol.com.br/2006/placar/am/index.jhtm
    http://eleicoes.uol.com.br/2006/placar/rs/index.jhtm
    http://eleicoes.uol.com.br/2006/placar/sc/index.jhtm

  3. Rafael Fortes Says:

    Valeu pelos comentários. Não sabia dessa diferença: é um dado e tanto! De fato, eu não tinha noção de que tanta gente deixa de votar – se são tantas entre os meus conhecidos e os seus, imagina jogar isso pro país todo.

    Um abraço!

  4. José Ruiz Says:

    Boa campanha pela transferência do título de eleitor. Tem um texto legal aqui neste link: http://www.riceara.com.br/politica/voce-vota-onde-mora/

    PS.: não leve Leonardo Boff muito a sério não… Belo Monte traz muito mais benefícios do que malefícios. Duvida? Usa o Google Earth e procure ver o que tem no local… só grileiro… faz tempo que não tem índio por lá (só grife).

  5. Rafael Fortes Says:

    Caro José,

    Obrigado pela dica. O texto é legal mesmo.

    Quanto a Belo Monte, conheço pessoas que atuam em movimentos sociais do Pará e, somando as posições delas com o que leio na mídia alternativa/democrática/popular, tenho razões para discordar dos argumentos que você apresenta.

    Um abraço!

  6. Nordestino de São Paulo: transfira o título. Saiba como e se livre dos coronéis tucanos | Conversa Afiada Says:

    […] uma campanha para as pessoas tirarem ou transferirem o título. O prazo é até dia 05 de maio. https://rafaelfortes.wordpress.com/2010/03/06/mudanca-de-domicilio-eleitoral/#comment-852 A abstenção no Brasil é alta e pode definir uma eleição. Por exemplo, eu não voto desde 2002 […]

  7. Por que voto em Marcelo Freixo para deputado estadual « A Lenda Says:

    […] atrás, fiz um apelo a pessoas conhecidas (e desconhecidas) de fora que vivem no Rio para que tranferissem seus títulos […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: