Rapidinhas

Bacana (e trabalhoso!) o Simpósio essa semana. Um dos conferencistas, Richard Giulianotti, falou à Sportv.

*  *  *

Dúvida relevante: a tal latinha de Skol que torce pro Brasil, se esquecida no congelador e aberta, continua torcendo? Explode? Precisa de carinho no fundo?

*  *  *

O jornal inglês The Independent dá um show na cobertura dos recentes crimes cometidos por Israel (aqueles cometidos no mar e que obtiveram visibilidade; porque, sobre os cotidianos, o mundo e sua mídia gorda seguem guardando silêncio), bem como apresenta novas pautas que permitem contextualizar e compreender melhor a situação. Muito diferente do que a mídia gorda brasileira faz com este – e com qualquer outro – assunto. O tema é chamada principal do sítio do jornal neste momento (0h40 de sábado, horário brasileiro), com chamadas para a edição de domingo. São nada menos que cinco matérias:

The other side of the Gaza blockade

Israel warns Gaza-bound ‘Rachel Corrie’ to stop

Derek Graham: We can’t turn back: it would insult the people who died

This cruel and ineffective blockade of Gaza must be brought to an end

The truth behind the Israeli propaganda. Novamente, o maior de todos, Robert Fisk. Aquele que merece nome e homenagens em formaturas de turmas de jornalismo em todo o mundo. Escrevendo, argumentando, lutando, batendo, nos apresentando sua lucidez com uma categoria rara por aí, hoje em dia. Seu artigo começa assim:

I have, of course, been outraged at armed men boarding ships in international waters, killing passengers on board who attempt to resist and then forcing their ship to the hijackers’ home port. I am, of course, talking about the Somali pirates who are preying on Western ships in the Indian Ocean. How dare those terrorists dare to touch our unarmed vessels on the high seas? And how right we are to have our warships there to prevent such terrorist acts.

Trechos:

We haven’t seen a frame of film from the protesters because the Israelis have stolen the lot.

Well, then came the Goldstone report, which found that Israeli troops (as well as Hamas) committed war crimes in Gaza, but this was condemned as anti-Semitic – poor old honourable Goldstone, himself a prominent Jewish jurist from South Africa, slandered as “an evil man” by the raving Al Dershowitz of Harvard – and was called “controversial” by the brave Obama administration. “Controversial”, by the way, basically means “fuck you”.

But back to our chronology. Then we had the Mossad murder of a Hamas official in Dubai with the Israelis using at least 19 forged passports from Britain and other countries.

The amazing thing in all this is that so many Western journalists – and I’m including the BBC’s pusillanimous coverage of the Gaza aid ships – are writing like Israeli journalists, while many Israeli journalists are writing about the killings with the courage that Western journalists should demonstrate.

Quando Fisk bate nos jornalistas da BBC, fico pensando no que faria se fosse brasileiro e visse a cobertura feita pela mídia gorda brasileira – salvo exceções raras e dignas de nota, como parte daquela feita pelo Jornal do Brasil no inicinho de 2009.

Anúncios

Tags: ,

6 Respostas to “Rapidinhas”

  1. renata moraes Says:

    rafael, o que seria “carinho no fundo”? essa latinhas são realmente um mistério, alguém já encontrou uma ou foram todas mesmo para a argentina?

    sobre essa mídia brasileira horrível, não tenho lido os jornais pq me causam irritação, mas as vezes “ouço” os globais e vê-los chamando o ataque de Israel de “incidente”, referendando a classificação de Obama, é tenebroso. a meu ver eles deram uma cobertura um pouco maior por conta da presença da brasileira, que por sinal é uma voz importante e acho que seus vídeos podem mostrar aquilo que o mundo ocidental não quer ver sobre as atitudes criminosas de israel. vamos esperar por eles…

    abraço

  2. Rafael Fortes Says:

    Renata, pergunte a um manguaça e ele provavelmente te responderá. ; )

    Abraço!

  3. anselmo Says:

    Rafael,
    realmente precisa de carinho debaixo da lata. a exemplo do que ocorre com garrafas na iminÊncia do congelamento. mas nao peguei em mãos. se depender do meu paladar e do meu estômago, eu nao me arriscaria com cervejas que fazem propaganda vinculada ao futebol e a copa do mundo. mas o bolso e a conveniência nao facilitam….

    sobre o Fisk, a cobertura de internacional no brasil é tão precária… e como quem se interessa hoje nao hesita em ir pra internet ler veículos e analistas estrangeiros, a tendência é isso nao melhorar. política externa nao dá voto nem mobiliza massas no país. nao sei se é diferente em outras partes, e é fato q se faz jornalismo internacional de baixa qualidade em outros cantos do planeta. mas isso nao melhora o q acontece aqui.

  4. Luis Says:

    Rafael!

    Essas latinhas não exixtem.. vc não viu que todas foram enviadas à Argentina?! hehehe

    Mas fala aí vc tem Twitter ? Seria legal ver seus conentarios na Twitosfera!
    Se não Cria um que o twitter estamos precisando de conteúdo; (para RT); just kidding!

    Saudações!

  5. Rafael Fortes Says:

    Pois é, Anselmo. Concordo plenamente. Na mídia gorda, o alinhamento automático com a política externa da Casa Branca é tão grande que certas manchetes são dignas de um “house organ”…

  6. Rafael Fortes Says:

    Oi, Luis. Não tenho Twitter, não…

    Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: